Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

FACETAS (18)



O silêncio
Da paisagem
Invernal
Torna a vidraça
Mais gélida.

E inquieta tu brincas,
Soprando nela
As antecipatórias,
As ansiosas,
As prematuras flores
Orvalhadas
Da tua vaporosa
Primavera íntima.


Marcantonio

10 comentários:

Letícia Palmeira disse...

Comentar poema parece chover no molhado. Acho até que já disse isso. Mas repito. Este seu é bem o que eu escreveria se o "inverno" estivesse aqui.

Muito bom.

Cosmunicando disse...

que pérola.

gagau disse...

Uma caminhada por aqui,e sou outra pessoa com aprendizado que naturalmente recebo aqui,obrigado poeta sempre abraços

Daniela Delias disse...

Poxa, que coisa mais bonita...

Bjos

juliana kalid disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tania regina Contreiras disse...

É tão bonito e tão o rico o contraste entre as estações internas e externas! Eis o poema.
Beijos,

Fred Caju disse...

O silêncio sempre tão próximo do que é frio.

marlene edir severino disse...

Embaçada
e bela

Abraço!

dade amorim disse...

Belíssimo, Marco.

Beijo.

Vais disse...

imaginei todos os momentos das vidraças embaçadas, o dedo como lápis nos riscos e palavras

gostei da imagem

beijo