Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

FACETAS (26)



Venta muitíssimo
Apenas para que as árvores
Possam ser trágicas,
Descabelando-se enlouquecidas
Como Cassandra,

E protestem e agitem
Seus guizos invisíveis,
Suas línguas planas,
Seus ramos (dedos bifurcados)
Indigitando o deus arbóreo.

Ou venta muitíssimo
Para que as árvores exemplifiquem
Que nenhum vivente
Move-se apenas por si mesmo
Desde seu íntimo.


Marcantonio

5 comentários:

Domingos Barroso disse...

venta muito para que tu possas mover teus dedos e espalhar epifania
[pergunta e ouvirás das árvores]


forte abraço,
irmão.

Tania regina Contreiras disse...

Lembrei do dia em que descobri que o vento é a música que faz dançarem as árvores...
Beijos, Marquinhos.

Verso Aberto disse...


alma sem itinerário
o vento nos aviva

abs

Wilson Torres Nanini disse...

Belíssimo desvelamento do âmbito-além!

Abraços!

Anna Amorim disse...

Poeta,

Tuas árvores trágicas sopram poemas e verdades.

Abraços,