Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

terça-feira, 27 de março de 2012

COLEÇÃO PARTICULAR (24)

ALTITUDE

Que pródigo o esquecimento,
Milhares de fardos
Já lançados
Para fora
Do
Cesto
Do
Balão
!

Para onde foi tanto tempo
Nessa ampulheta aberta?
Forma imensa duna
De sacos de areia
Cujo cume quase toca
Este ponto de leveza
Em que me encontro.


Georgia O'Keeffe,  Sky Above Clouds II, óleo s/ tela, 1963.

4 comentários:

Raul Motta disse...

Belíssimo poema!

.

o que deixamos para trás
nos atrai?

Abraços,
bons caminhos!

Tania regina Contreiras disse...

Suspiro e silêncio às vezes. Qualquer palavra macula o poema: maravilhosos, tantos, todos...

Beijos,

LauraAlberto disse...

fosse o tempo balão subindo...e não chama sumindo

beijo

Andrea de Godoy Neto disse...

que bonito, Marco!

há sempre fardos a serem descartados, pelo esquecimento ou pela razão...

às vezes, penso em me lançar a estas dunas, gosto de escorregar na areia... que me importa se o tempo escorre comigo? minha pele será folha imantada aos seus instantes em grãos...

beijo