Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

sexta-feira, 22 de abril de 2011

INTERIORES E VIDA SILENCIOSA (XII)

13 – fruteira com anoitecer

No dorso fosco
do mamão,
sol deposto,
casca crepuscular.

Na pele rubra
da maçã polida
uma aura
alva de luar


14 – interior com luminária

A mariposa assombrada
a   tremular   com alarde
ao  redor   da   lâmpada,
recorda-me uma folha seca
querendo retornar à árvore.


Cézanne, Estudo de uma Maçã, aquarela

2 comentários:

Mr.Orange disse...

A mariposa assombrada é a vida que teima em nascer e agarrar-se em algo?
Ótimo poema!
Atenciosamente.
Adriano MB.

Lara Amaral disse...

Belos versos, meu caro.

Forte abraço!