Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

TEMPO DE EXPOSIÇÃO (7)

AUFKLÄRUNG

Silêncio!
Alguém irá dizer
Algo inaugural.
Silêncio...

Atenção!
Alguém irá mudar
O rumo do mundo.
Atenção...

Esperem!
Alguém encontrou
A chave-mestra.
Esperem,
Quantas voltas...

Seamus A. Ryan, Sem título.

























Mais de Seamus Ryan AQUI

4 comentários:

Mariana disse...

Para mim, cada palavra guarda em possibilidade a palavra original: ecos de Adão, é o que temos. Mas de vez em quando alguém capta esses ecos e entrega-lhes uma forma. Sei que estou falando como os românticos, mas foi eles que consegui entender.

Abraço.

Leonardo B. disse...

[o silêncio solitário, o chão da casa do Arquitecto Sem-abrigo na sua imensidão]

um imenso abraço, Marcantonio

Leonardo B.

Mima disse...

Nada é tão novo. Nada é tão velho.

"Todas as coisas são canseiras tais, que ninguém as pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem se enchem os ouvidos de ouvir. O que foi é o que há de ser; e o que se fez, isso se tornará a fazer; nada há, pois, novo debaixo do sol. Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo? Não! Já foi nos séculos que foram antes de nós." Eclesiastes 1.8-10.

Quantas voltas... ouvir o inaugural? silêncio...

Bípede Falante disse...

O silêncio não tem quem cale!!
beijosss