Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

terça-feira, 4 de outubro de 2011

TEMPO DE EXPOSIÇÃO (30)

ALVARÁ DE SOLTURA

Qualquer dia desses
Aceitarei a liberdade
Sem ter de fazer dela
Um lema,
Não mais me ouvirão
Gritar
Pela pequena janela
Da cela
Dum péssimo poema.

Henri Cartier-Bresson, 1975

6 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

O poema aprisiona para libertar...Restringe, para expandir...Susurra e ouço em mim como um grito. Péssimo poema, disso você, poeta, nada entende...:-)
Beijos,

Carol Timm disse...

Certa vez me disseram (já não lembro mais quem foi) que era uma das fotos que Cartier-Bresson mais gostava. Forte ela é!

Bjs,
Carol

Sônia Brandão disse...

Bem que eu gostaria de conseguir essa liberdade.

bjs

Vais disse...

que seja um péssimo poema, ainda assim, um poema
mas,
eu sou livre? - não, não sou.
você é livre? - não, meu amigo, você não é.
e quem te fez assim, preso, conformado?
mas também,
Não pense muito
As grades tem aço
Piores são as de carne
e a foto é um desespero só

abraço, Marcantonio

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

Belo poema, Marcantonio. A liberdade é mesmo o grande dogma do mundo recente..

Abraço

Dalva Maria Ferreira disse...

Marcantonio, eu tenho invejinha de você. O tempo todo.