Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

domingo, 30 de outubro de 2011

TEMPO DE EXPOSIÇÃO (47)

DESCOBERTA E PERDA

Mensageira, guia,
Ou espiã disfarçada,
A poesia me envia
Sem trégua
Dúbias coordenadas,
Acaso esteja eu
Às sete léguas
De me encontrar.

Ela quer me confundir?
Ela quer me pôr na rota?

Por ora não importa.
Não ligaria de vê-la cessar
Se eu pudesse me reaver:
Só um perdido tem poesia
A perder.


Sára Saudkova, S.O.S. , 2003. (Daqui)

6 comentários:

Leonardo B. disse...

[Essa linha que nos dita

e conduz,
e se desfaz

a linha de água do poema,
em nós]

um imenso abraço, Marcantonio

Leonardo B.

Dario B. disse...

Assim é ela, bússola e labirinto. Abração.

Tania regina Contreiras disse...

Ah, bendita seja ela (a POESIA) e benditos sejam os seus desencontros, Marquinho! :-)
Beijos,

dade amorim disse...

Água que vai e vem, assim é a poesia.

Beijo, Marco.

Rebeca dos Anjos disse...

Ela corre como sangue nas veias, mas vem não sei de onde.

Excelente aqui.
Abs,

Cris de Souza disse...

não perco de vista teus versos.

essa exposição está primorosa!