Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

sábado, 4 de junho de 2011

INTERIORES E VIDA SILENCIOSA (XLVII) - Final

50 – natureza-morta com aliteração

Desconcertante
sexteto:
o violino,
o vinho,
o vaso,
o livro
e a luva,
tocam-se visualmente,
composição sem música.

Braque, Violino e Jarro, óleo, 1910

8 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Maravilhosa Sinfonia em V...
Bravo!
Abraço, meu querido Marcantonio.

Iracema Macedo disse...

Essa série silenciosa está muito, muito instigante. Todos os poemas silenciosos pintados: "a cômoda antiga", "os pincéis dentro da lata de cerveja", "as caixas de papelão", o cigarro lembrando um fogo mítico...

Nina Pilar disse...

E a vida transforma-se em algo assim tão belo...
muito bom amigo, adorei e vou voltar.

super abraço querido

Adriana Karnal disse...

é de natureza viva que falamos.
q coisa linda,Marcoantonio.

Lara Amaral disse...

A gente escuta só de olhar!

Lu disse...

É possível olhar além das formas, mas será que é possível enxergar tudo que há por lá?

bacio

dade amorim disse...

Amo a pintura de Braque, e que poder tem o poema junto dessa tela.

Beijão.

Marcelo Henrique Marques de Souza disse...

Braque é um dos grandes gênios do século XX.

Abraço