Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

segunda-feira, 20 de junho de 2011

PROVAS DO ARTISTA (12)

PEQUENOS FINS

Parece que o mundo acaba
Pela falta de algum detalhe:
Um ponto após a palavra,
Minúscula ervilha;
Certa pequena ilha
No oceano belicoso;
Uma consoante no obelisco babélico;
A pétala ausente que a flor dissipa;
Um dente na boca aflita;
O beijo na boca certa;
Fio de sol numa fresta;
Um parafuso que não se ajusta;
Aquela vírgula na lei injusta;
Uma pitada de sal ou açúcar;
Meio litro a mais de combustível
No motor do carro;
Um estúpido palito de fósforo,
E este não menos estúpido cigarro.

Roberto Magalhães, Stop 1º, serigrafia (DAQUI)

























Site oficial do artista Roberto Magalhães:
http://www.robertomagalhaes.art.br/portu/Biografia.asp

7 comentários:

Luiza Maciel Nogueira disse...

nas mãos há poesia - instrumento de poeta! Linhas que conduzem ao verso.

beijo

Celso Mendes disse...

pequenos fins para uma imensidão poética. a quem cativa o olho camaleão? talvez à cor. o olhar é que faz o artista.

ainda aprendo algo aqui.

abraço!

Tania regina Contreiras disse...

Um ponto após a palavra,
Minúscula ervilha;
Certa pequena ilha
No oceano belicoso;
Uma consoante no obelisco babélico;
A pétala ausente que a flor dissipa;
Um dente na boca aflita;
O beijo na boca certa;
Fio de sol numa fresta;

Parece que mais uma vez ponho-me a pensar aqui nos pequenos fins...
Muito bom, Marquinho...Ah, sempre é, mas é sempre algo novo...Amei.

Mariana disse...

"pequenos fins" e "pequenos fins":

Paulo Leminski

das coisas
que eu fiz a metro
todos saberão
quantos quilômetros
são

aquelas
em centímetros
sentimentos mínimos
ímpetos infinitos
não?

Os melhores poemas de Paulo Leminski. 6.ed. São Paulo: Global, 2002, p.31.

Abraço.

Menina no Sotão disse...

E depois que acaba, simplesmente recomeça para novamente abraçar o fim. rs

bacio

Cris de Souza disse...

poemão, heim!

(meu isqueiro é como se fosse meu sexto dedo)

Dalva Maria Ferreira disse...

Muito bem falado. Invejinha... queria eu tê-lo pensado!