Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

domingo, 27 de fevereiro de 2011

ROSTOS - MODOS DE CRIAR RETRATOS (37)

O vinho corre
Sob a pele da sua face
Como um espantalho
Que pelo trigal
Disparasse.

Fogem as aves:
Os corvos soturnos,
As gralhas-censura,
O pássaro-disfarce.

Velázquez, O Triufo de Baco (detalhe), OST, 1628

5 comentários:

Bípede Falante disse...

É melhor que escapem antes que o vinho os mate!

bjs

Maria Marluce disse...

A palavra nos permite tudo. Com ela afugentamos o espantalho, que afugenta a grava, que afugenta nossos medos. Belo poema. Bom final de domingo.

Suzana Martins disse...

Fogem as aves e sobrevoam as letras em sorrisos felizes!

Beijos

Assis Freitas disse...

espantalho, trigal, corvos - sobrevejo


abraço

dade amorim disse...

Das artes do vinho, perfeito.
O clima geral lembra o holandês - esses corvos, esses trigais.
Beijo.