Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

domingo, 6 de fevereiro de 2011

ROSTOS - MODOS DE CRIAR RETRATOS (16)

Entendi.
Trata-se de acariciar
as trevas de si mesmo.
Ama no espelho hostil
sua nobre cegueira
como se Modigliani
lhe houvesse roubado
as pupilas e as íris.

Modigliani, Homem com Copo de Vinho

16 comentários:

Lalo Arias disse...

Perfeito, caro Marco. Perfeito.
Um abraço.

Bípede Falante disse...

Marcantonio, estou a ter um ataque de risos, acho que de nervoso porque eu não sabia, ou sabia, o quanto é bom acariciar as trevas de mim mesma, que acabo de me ver no seu retrato, nesse retrato dos infernos, mais risos, que estou para lá de Dante e não de Bangladesh :)
beijossssssssssss

Bípede Falante disse...

Tava vendo o seu quem sou eu. Eu gosto do seu quem sou eu, seu curioso desambientado :)

Leonardo B. disse...

[instruções para o quarto crescente da alma, mão escrevivente na solidão da cor]

um imenso abraço, Marcantonio

Leonardo B.

Fernando Campanella disse...

Um maneira diferente de fazer um poema, um diálogo consigo próprio, e conosco que o lemos. E se fala de sombras, de nossa cegueira diante de nossos redemoinhos internos, então, dê-me a mão, somos poetas, e tudo é assombro, assombra.
Gosto muito de teu poesia, Marcantonio, é afinada, elegante, rica, de primeira linha. E fico muito feliz com comentários vindos de você em meu blog. Grande abraço.

Tania regina Contreiras disse...

Vou observando a sequencia de imagens, esses retratos...Há, sim, alguns momentos em que digo (acho que dizemos todos): ué, sou eu! Isso é o máximo!
Beijos,

Maria Marluce disse...

Ao contemplar o espelho profundo de nossa alma e acariciar o outro eu que encontramos,chegamos ao mais íntimo do nosso ser.

Luiza Maciel Nogueira disse...

trata-se de olhar a sombra e decorar o trajeto da escuridão para depois reproduzir, porém com alguma luz do olhar.

beijos

LauraAlberto disse...

fiquei deliciada com este poema
entendi que se trata de compreender, ver e aceitar o que somos, o que fomos e o que seremos
beijos
Laura

Lara Amaral disse...

Seu poema e Modigliani, afff... Demais! Adoro os dois =)

Beijo.

Cris de Souza disse...

entendi.
o vinho aclara o breu.

nydia bonetti disse...

Parece mesmo ser sina de artistas e poetas, acariciar as trevas. Mas que série incrível, Marco! beijo!

betina moraes disse...

ideal era que o espelho se partisse...

muito bom, marco!

Batom e poesias disse...

Que ídéia fantástica essa analogia como os retratos de Modigliani.
Adorei.

bjs
Rossana

O que Cintila em Mim disse...

Fale da lenda, das penas, das cenas pintadas por ele. Tudo é luz no seu poema, até a treva interna dos retratos que descreves.

: A Letreira disse...

que bonito moço, adoro Modigliani...