Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

terça-feira, 29 de março de 2011

QUINZE PAISAGENS COM SOL, QUINZE COM LUA (24)

A luz não é a alma da paisagem
pois o sol não lhe circula
prânico
nas ocultas veias
nem lhe inocula
ânimo.

O sol apenas pastoreia
sombras na superfície
para o volume inconstante
de um semblante,
variada efígie.

Mas quando o sol se põe
em simétrico interregno,
e a noite se revela
terreno subjacente,
uma alma se extroverte
impositiva
na paisagem que adormece
paisagem negativa
e não referente:

é a alma compartida
do medo que o homem sente.
















Marcantonio

3 comentários:

Adriana Alves disse...

Sol morno, água fresca e afeto. Receita para florescer a beleza. Lindo poema. Abraços, Adriana

Sam disse...

minha sombra é meu pastor
que me guia e está sempre à frente dos meus passos
que segue meu cajado
nessas paisagens oníricas
e metafísicas,
ensolaradas ou enluaradas
e que passam...

Que belo, querida.
Meu carinho.

Fernando Campanella disse...

Um belíssimo poema, Marco Antonio, eu muitas vezes fico pensando que a existência é uma sombra em si mesma, a origem lunar, abissal, e a luz, posterior, cíclica, empresta-lhe contornos para que se enxergue e se reflita.

Há um prêmio para você em meu blog, o KREATIV BLOGGER. Copie o selo e cole em teu blog. E veja as regrinhas lá. Abração.