Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

PROVAS DO ARTISTA (44)


IMPRESCRITÍVEL

A poesia tem
Advogados,
Professores
E sacerdotes.

A poesia tem
Concílios,
Conciliábulos
De autoridades
Com capuzes
E archotes.

Mas não a minha,
Pequenininha,
Que não tem papas
Na língua ativa
Que vai a Roma
Sem propedêuticas
Acadêmicas
Ou diplomas.

Apenas sabida
Se viva assoma
Nas papilas
Gustativas.

Goya,  água-forte da série Los Caprichos, 1796-1798

8 comentários:

Chorik disse...

Pois é nas papilas gustativas dos sentimentos que compreendemos a verdadeira poesia.
Abs

Eurico disse...

Não preocupa, Poeta.
A Poesia sopra onde quer.
E não se submete aos canônicos do ofício.

Abç

Dario B. disse...

E tem sabor inigualável, meu caro poeta. Forte abraço.

Bípede Falante disse...

A sua tem demônios e loucuras! Que você escreve como o diabo gosta. O diabo, os anjos e os bípedes, é claro.
beijosss

Celso Mendes disse...

Não há regra, métrica ou rima que supere o prazer de ler um poema que se sente de verdade, que deixa aquele gostinho de lira-que-me-toca. Todas as artimanhas, sofisticadas ou não, para atingir esse objetivo, são louváveis. Eu, particularmente, prefiro a simplicidade da palavra bem articulada. Como neste poema, por exemplo.

abraço.

Ana Ribeiro disse...

Adoro sua poesia sem papas na língua.

Cris de Souza disse...

ai, ai...

se tua poesia é pequenina, a minha é microscópica.

Lidi disse...

Assim que é a verdadeira poesia, sem diplomas ou academia. Bjs