Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

terça-feira, 30 de agosto de 2011

TEMPO DE EXPOSIÇÃO (3)


TAMANHO

Então, é tudo diminuto,
E é hábito vão
Pensar em escalas.
Quantos de mim, soberanos,
Caberão nesta sala?

É tudo diminuto,
E tão temerário é lidar
Com coisas pequenas.
É preciso se munir de pinças
E lentes,
Suportar o desespero
De estar sempre atento,
Pois uma pressão a mais
Provoca fraturas discursivas:
- Isso era uma carícia, não um insulto!

E muito se perde, por diminuto,
E se extravia:
Correm rapidamente para os cantos
As minudências,
E por descuido se esmagam
Diminutivos carinhosos.

Requer cuidado
Esse viver diminuendo.
Esquece qualquer preeminência:
Tu desapareces na ampliação,
Um aglomerado de pontinhos frágeis,
Ato de prestidigitação pelo qual és visível
E invisível a um só tempo
(Dentro de Gulliver há um mecanismo
Movido por homenzinhos de Liliput).


Tudo é diminuto,
Mas consola que também o seja
O derradeiro minuto de espaçamento.


Diane Arbus, Jewish Giant at Home With his Parents, 1970





















Mais sobre Diane Arbus AQUI

3 comentários:

D.Everson disse...

cada vez mais requinte nos poemas

Luiza Maciel Nogueira disse...

Bárbaro, eu adoro as coisas pequeninas como os seres do Gulliver. Tamanho não é documento né? rs

Beijos

Raul Motta disse...

Sentido poema!

Guardar o, e não se resguardar do, “derradeiro minuto de espaçamento”, do derradeiro verso do poema...

Admiro tua capacidade de escrever tanto e tão bem, tuas séries provam que quantidade e qualidade podem conviver em permanente fluxo!

Abraços, bons caminhos...