Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

terça-feira, 30 de novembro de 2010

SONS

Para o sentido da paisagem
A poesia não me abriu os olhos:
Eles já eram expertos.

Ela abriu os meus ouvidos.



6 comentários:

Mai disse...

É um dos cantos mais belos que conheço. É melancólico também; é quase voz...
E toda língua é um ouvido... e olhos, narizes, e pele e mãos....

gosto desta poesia em profusão.

abraço amigo

Luiza Maciel Nogueira disse...

se se ouve bem - nem precisa olhar! Belíssimo poema.

beijos!

Andrea de Godoy Neto disse...

Sensorial, Marco!

beijo

Cris de Souza disse...

estou aqui viajando...
sentir algo assim, faz do meu dia melhor.

evoé!

Sônia Brandão disse...

E o poeta se fez. Olhos e ouvidos bem abertos são essenciais ao poeta.

bj

Bípede Falante disse...

que bonito bonito :)