Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

APONTAMENTO NA BORDA DO DIA (26)

Não há nada para apontar hoje.
Nem o sol, nem a nuvem asceta,
nem o pássaro que liga os pontos
da paisagem.

Esse vazio não está na janela,
é um episódio de abstinência
destes meus olhos tristes.

8 comentários:

Mai disse...

É istO que me fascina na poesia:
é que mesmo assim ela está.

um grande abraço, Marco

Dario B. disse...

Com isso aprendendemos que apenas uma coisa preenche tudo, poeta: o Nada. Forte abraço.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Que coisa bela!

Carla Diacov disse...

ESTARÁ NA JUSTA LINDA JANELA
DESSES MESMOS TEUS OLHOS)LINDOS, POR SINAL...(




BEIJO.

Sônia Brandão disse...

O vazio interior nos consome.

Marco, vale sempre a pena passar por aqui.
bj

Lua Nova disse...

Muitas vezes, o vazio que nos ocupa é maior que a imensidão do mundo que nos envolve... um vórtice do nada absoluto.
Adorei.
Marcantonio, ficaria muito feliz se vc prestigiasse o Chocolate com sua presença.
Beijokas e um lindo domingo.

Cris de Souza disse...

é justo não apontar a tristeza.

betina moraes disse...

marco, um apontamento sobre a tristeza dignifica as emoções mais obscuras!
belo verso!

abraços.