Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

OFICIOSO

É tarde para tecer
um discurso oficial:
eu seria sempre
um pária-conscrito,
aquele, o verdadeiro,
o que teme as cartas celestes,
a grandeza arbitrária
de toda hierarquia.

Vermeer de Delft, O Astrônomo

3 comentários:

betina moraes disse...

Vermeer foi a escolha perfeita!

verso excelente, marco.

temer as cartas celestes é algo necessário, realmente.

abraços.

Cris de Souza disse...

sem cerimônias, por gentileza.

beijo, meu mago!

Mai disse...

Mas os arquétipos sinalizam que há muitas possibilidades.

Místico?

beijos