Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

sábado, 4 de dezembro de 2010

SÍMBOLO

Não tem desígnio nenhum
esse pássaro sem cor precisa
(corpo de penumbra)
que atravessa a noite.

E, no entanto, ele me causa
um estremecimento,
como se eu estivesse diante
da pirâmide de Quéops,
de um dólmen,
ou de algo mais remoto.

Pintura rupestre, gruta de Lascaux , França

3 comentários:

Cris de Souza disse...

coisa de cinema...

beijo azul, meu mago!

Mai disse...

Mas há pássaros mitológicos que nos invadem os sonhos...
Mas o que são esses signos arquetípicos, e o que querem dizer?

A poesia e a Arte vão dizendo...
não há palavras - apenas metáforas.

Que bom, Marco!



Quando esses pássaros me assaltam em meio à madrugada, eu abro um olho só e os descrevo junto a tudo aquilo que sinto.

abraços

Solange disse...

algumas sensações independem de entendimento...

belo !

beijo