Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

sábado, 8 de janeiro de 2011

APONTAMENTO NA BORDA DO DIA (45)

Há palavras que surgem planando
como sementes de dente-de-leão.

Pequenos pára-quedas surreais
cujo destino é fecundar o chão.
Mas, com sopros impertinentes,
brinco de mantê-las suspensas
até me cansar, perder a atenção.
Cadê?
Devia tê-las recolhido à tempo
ao contra-destino da minha mão.

8 comentários:

cirandeira disse...

É tudo tão rápido, tão fugaz...
E as ideias, as palavras são mais
rápidas que os coelhos, ademais,
nossa memória não chega a ser como
a do elefante!
Mas, ainda assim o Poeta consegue
preencher essa "lacuna" no momento mesmo de abordá-la! É mesmo impressionante!!!

beijo :)

Í.ta** disse...

pegá-las, eis a questão.

abraços.

Luiza Maciel Nogueira disse...

as sementes/árvores crescem com o tempo :)
bjs

Lara Amaral disse...

Já eu recolho todas as suas comigo, e faço bom proveito aqui dentro com tanta magia e sabedoria.

Beijo!

S. disse...

que imagem linda essa...
beijinhos leves e flutuantes

Zélia Guardiano disse...

Soprar, soprar, soprar...
Lindo, Maracantonio !
Grande abraço, querido.

Mikaelly Andrade... disse...

Que glória que são as palavras e com a sorte que tive conseguir recolher
as suas que estavam soltas no ar, passaram por mim, assim devagar.
Chamaram meu nome sem nem me olhar, então eu vim aqui...contemplar.

Vês se consegue pegar as minhas:
www.mikaelly-andrade.blogspot.com
Mikaelly Andrade.

Assis Freitas disse...

surrupiar as sílabas


abraço