Imagem do cabeçalho: "O Grande Canal de Veneza" (detalhe) de Turner

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

APONTAMENTO NA BORDA DO DIA (Final)

A escrita é um quebra-luz do dia.
Apertada trama de fios de linho
Nesses sudários sobre as janelas.

Rembrandt, Fausto

10 comentários:

Thiago Quintella de Mattos disse...

Compartilhei no facebook! Grande Final!

Fred Caju disse...

Seus apontamentos mereciam ser reunidos em um e-book. Então fica a cantada: modéstia à parte, sou ótimo em diagramações...

Assis Freitas disse...

seria a palavra um jesus crucificado,


abraço

Zélia Guardiano disse...

Três versos e, dentro deles, um mundo a ser pensado...
Belo, Marcantonio, muito belo!
Abraço, meu amigo!

Iracema Macedo disse...

Fausto é um belo desafio humano, um convite à dança pelas palavras!

Batom e poesias disse...

Ainda que não houvesse a imagem a ilustrar o poema, seus verso são completos em si mesmo. Apertada trama, tecido de fios de ouro.

Bjs
Rossana

Lalo Arias disse...

Poema final por quê? Completou o livro? Agora você será um poeta com livro editado? Tomara que sim.
Um abraço.

Cris de Souza disse...

golpe de mago! claro que fechou com chave de ouro.

os apontamentos acabaram mas a escrita permanece.

beijo em ti.

(aproveito e te agradeço o vídeo incrível, fiquei maravilhada)

Sônia Brandão disse...

Como a aranha tecendo a sua teia, o poeta tece a trama do seu poema.

bj

Bípede Falante disse...

Sudários sobre as janelas é uma coisa altissimamente marcandoido!
Adorei :)